Caity Lotz comenta sobre Arrow, Nyssa e interesse amoroso de Sara em entrevista

Diversos sites e revistas entrevistaram os atores de Legends Of Tomorrow em busca de novas informações sobre a série e personagens, nessa semana da estreia. O ComicBook.com foi um dos sites que entrevistou Caity Lotz buscando saber mais sobre Sara Lance, a identidade de Canário Branco, Lindsay (novo interesse amoroso de Sara), Nyssa Al Ghul e muito mais. Confira a tradução da entrevista abaixo:

Ela lutou contra o Deathstroke, foi ressuscitada pelo John Constantine e agora ela vai de cabeça viajar pelo tempo para lutar contra Vandal Savage ao lado de Rip Hunter e DC’s Legends of Tomorrow.

Ela é Caity Lotz — ou melhor, sua personagem de Arrow e Legends Of Tomorrow, Sara Lance. A Canário está pronta para voar novamente ao lado de ATOM, Firestorm, Hawkgirl, Hawkman e o par de criminosos de The Flash a bordo da Waverider, a nave do tempo de Rip Hunter.

Lotz juntou-se ao ComicBook.com para falar um pouco sobre o que está vindo para a série, a qual estreia na quinta às 8 (nos EUA) na CW.

Lembro-me de conversar com Brandon Routh e ele falou que começou a gravar Legends antes que estivesse de volta à vida em Arrow. Você teve algum problema para entrar “na onda” de onde sua personagem deveria estar?

Caity: Não, eu comecei a gravar Arrow antes de começar a gravar a nossa série. Eu vim na primeira parte da quarta temporada de Arrow em Agosto e então, nós não começamos a produção de Legends Of Tomorrow até Setembro.

No primeiro par de episódios, você realmente parece ser capaz de “sair fora” de qualquer um e de ter um tipo de qualidade humana no elenco. Você diria que isso é justo?

Caity: Eu não sei; Eu acho que ela é tipo a mais normal porque ela não tem um super-poder mas ela também morreu, retornou à vida e foi treinada pela Liga dos Assassinos; ela não teve uma vida normal. Então eu acho que eu concordo e não concordo com isso.

Tem algum personagem em particular que você está gostando de ter a chance de trabalhar?

Caity: Você sabe, é sempre tão diferente, toda a dinâmica que começamos a explorar. Eu acabei de ter uma cena com o Heatwave, o personagem interpretado por Dominic Purcell, e nós não tínhamos uma cena realmente juntos ainda, e foi ótimo. Ele e Captain Cold, eu acho que Sara se diverte muito com eles.

Há muita energia dinâmica com Rip, o que é interessante e engraçado de interpretar. Nós gritamos uns com os outros e discordamos muito.

Você acha que se distanciando de sua família, Nyssa e tudo — tão difícil como é — é na verdade libertador para Sara?

Caity: Eu acho que sempre tem muita culpa, medo e responsabilidade de ter os entes queridos em torno dela, ela sentiu como se estivesse os machucando e desapontando o tempo todo. Eu acho que está sendo um pouco mais libertador para ela, mas eu acho que Legends deram-lhe a oportunidade de ter um propósito.

O que ela estava fazendo com sua vida? Ela tinha todas essas habilidades e todas essas experiências de merd* de vida e está à procura de uma oportunidade para sair dessa. “Ok, eu estou agradecida por estar naquele barco aquele dia porque agora eu salvei o mundo e ajudei pessoas.”

Você é caracterizada como perdida e a procura de uma direção, no piloto. Você sentiu isso quando estava em Arrow ou é tipo um novo elemento para Sara?

Caity: Eu acho que a segunda temporada [de Arrow] foi uma temporada fantástica para Sara. Ela teve que fazer muito, mudar muito, fazer muito e experimentar muito.

Em seguida na terceira temporada, não havia realmente nada ali. Ela morre, e então ela está lá deitada morta. Eu não acho que a terceira temporada foi boa para ela. Quarta temporada, eu fiz apenas um par de episódios mas foi tudo preparando para Legends.

Agora, essa é uma parcela enorme da personagem, especialmente na primeira temporada e nos dois primeiros episódios em particular, sobre a criação de uma grande história que está bem conduzida. Ao longo do tempo, a personagem fica mais intensa e orientada e eu realmente gosto disso.

Ela acha difícil mudar de combates com caras com espadas para lutar com imortais que viajam no tempo?

Caity: Sara é Sara. Sara se ajusta a qualquer cenário que está. Eu não acho que tematicamente e em tom – atualmente, em tom, tem uma diferença entre Arrow e Legends. Tem uma falta de seriedade e está se ajustando a isso, o que é um pouco desafiador.

E sobre você? Você tem algum problema ao sentir que está colocando Sara em uma série que é leve e saltitante comparado a Arrow?

Caity: Não, porque nossa série é insana. Nossa série é tudo. É super-engraçado-leve e então, é realmente dramático e obscuro. Algumas pessoas dizem que não é como os Vingadores porque é muito obscuro e outros dizem “isso é totalmente como Os Vingadores”. A série tem sua própria coisa e eu não sei como ela faz isso, mas ela consegue ir por todo o lugar, mas sempre sinto que é a mesma série.

Como você está saltando através de gêneros, você também está saltando através de eras. Você tem algum tempo favorito que já visitou?

Caity: Os anos 70 foram muito divertidos. Também, o próximo episódio, o qual provavelmente não estou autorizada a falar onde estamos indo mas estou realmente ansiosa para isso. Um que Sara não gostou foram os anos 50, aquela ideologia suburbana de perfeição e todo o sexismo. Ela definitivamente não curtiu os anos 50. Mas foi engraçado de fazer, por causa de todo o guarda-roupa, os carros e tudo.

Dito isto, você tem um interesse amoroso chegando nos anos 50. Eu pensei quando eu li isso, seria um ajuste um pouco estranho ter uma “mulher dos anos 50” para Sara. Isso irá se repetir ou será apenas uma vez?

Caity: Sim, é um pouco estranho. Até agora é apenas aquele episódio, mas nunca se sabe.

E sobre Nyssa? Você acha que veremos isso resolvido esse ano ou há muita coisa para lidar no momento?

Caity: Até agora, eles não foram até Nyssa e eu acho que essa temporada não é sobre o amor para Sara Lance. Ela precisa descobrir quem ela é, descobrir si mesma.

Eles ainda não abordaram isso. Eu adoraria para elas. Eu amo Katrina e todo mundo ama Nyssa com Sara. Eu tenho certeza que iremos abordar isso, eu não posso imaginar que nós nunca o faremos.