Caity Lotz concede entrevista ao The New York Times

Hoje foi divulgada uma nova entrevista que Caity Lotz fez para o famoso The New York TimesEla fala sobre seu novo papel em Legends Of Tomorrow, assim como seus primeiros trabalhos na televisão e fora dela. Confira a tradução completa abaixo:

Em Arrow, da CW, Caity Lotz interpretou Sara Lance, mais conhecida como a sanguinária Canário, que desapareceu na terceira temporada. Mas acontece que sua personagem é mais como um gato de nove vidas.

“Eu faço? Eu não faço?” A senhorita Lotz diz que pensou quando foi informada que Sara seria ressuscitada em “Legends Of Tomorrow,” a mais nova série de quadrinhos da internet. “Mas no final, é díficil recusar uma viajante do espaço foda”

Graças ao regenerativo Poço do Lázaro, Sara foi revivida como a Canário Branco, vestida de com seu espartilho de couro e impulsionada pela sua irmã, a Canário Negro, para esquecer a escuridão e lutar da luz.

A senhorita Lotz, 29 anos, que no passado como uma parkourist (praticante de parkour) costumava saltar entre prédios, teve algumas reincarnações dela mesma: como uma cantora de um grupo de garotas e como dançarina com Lady Gaga (você pode vê-la no clipe “Paparazzi”) antes de se comprometer com seu papel talvez mais memorável como Stephanie, sobrinha de Anna Draper em “Mad Men” — que traz um brilho aos olhos de Don Draper.

“Eu vejo ele na cidade, e ele é sempre gentil comigo,” ela disse sobre Jon Hamm, quem estrelou como Don. “Aquele homem realmente pode iluminar uma sala.”

Em uma ligação recente de Vancouver, onde ela vive enquanto grava “Legends”, Lotz fala sobre como, a essa altura, a Canário só quer se divertir. Esses são trechos editados da conversa.

Então, a Canário é bem violenta. Você executa todos as suas acrobacias?

Caity: Eu sou uma pessoa muito física. Eu estudei artes marciais, triking — que é grande, movimentos rápidos com pessoas arremessando ao seu redor — e eu costumava fazer parkour. Então eu faço qualquer coisa que eu posso que não é tão perigosa, tipo todas as lutas. Mas se minha personagem tem que correr e pular através de uma janela de vidro, na qual as coisas podem dar errado, eu fico tipo “Yeah, você faz isso, dublê, obrigada!”

Você começou como uma dançarina.

Eu comecei a dançar profissionalmente aos 17, e eu me mudei para Los Angeles no momento que eu me formei. Então eu tive a oportunidade de estar em um grupo de garotas [Soccx], como as Spice Girls, e me mudei para Berlim. Quando eu voltei, eu comecei a dançar com Lady Gaga e fazer turnês com Avril Lavigne. Mas logo eu perdi minha paixão criativa e sabia que não era pra mim.

Como era a Lady Gaga?

Eu me lembro de chegar no set [de “Paparazzi”] às 4:30 or 5:00 da manhã, e eu iria aparecer como uma pessoa sem-teto. E ela queria sair do carro, vestindo essa roupa íntima diferente, calças justas e saltos, já no personagem.

A Canário mudou nessa reincarnação?

Ela ainda é  a mesma alma torturada e perdida que se arrepende do que foi, mas o tom é mais leve, e há muito espaço para leveza. Antes, ela nunca sorriu de verdade e nunca fez piadas. Eu acho que isso irá ajudá-la a perceber que ela é feliz passando pelo que ela teve que passar.

Quão importante foi pra você que ela permanece bissexual?

Alguns telespectadores sempre verão você como Stephanie de “Mad Men”.

“Mad Men” foi meu primeiro trabalho e me legitimou. Graças a Deus, eu não percebi a grande coisa que era naquele tempo, ou eu teria ficado muito nervosa. Eu estava muito verdade e me lembro de Jon Hamm puxando a parte de trás da minha camisa porque eu ficava me inclinando para frente e estragando a cena.

Vocês dois certamente tinha química.

Outra coisa que me lembro é que ele se sentiu assustador tendo que dar em cima de Stephanie, porque ela era muito nova. Ele não queria que fosse tão forte. Eu acho que a audiência pensou que ela era muito nova para ele também. Ha.