POSTS POR CATEGORIAS

Os eventos da quinta temporada de Arrow levaram à aparição de Black Siren (Katie Cassidy), personagem também chamada Laurel Lance (da terra-2) e vilã na série. No Television Critics Awards, o site TV Guide questionou Caity Lotz o que acharia do encontro de Sara Lance com alguém com a exata aparência de sua irmã falecida na série?

“Eu não sei se Sara vai conhecer Black Siren. Eu sinto que eles têm que fazer isso. Seria horrível se você visse uma pessoa que… é sua irmã, mas não é sua irmã. Eu não sei como isso seria para Sara e o que aconteceria”.

Caity também comentou sobre como seria para Sara conhecer Dinah Drake, a nova Black Canary, intepretada por Juliana Harkavy:

“Eu acho que, enquanto Dinah não estiver usando jaqueta [de Laurel], Sara provavelmente estará bem. Mas eu tenho certeza que ela a apoiaria”


Neste semana, o DC All Acess liberou uma entrevista feita com Caity Lotz durante o CW Network’s Upfront 2017 no qual ela fala sobre a nova temporada de Legends Of Tomorrow. Confira o vídeo e sua transcrição abaixo:

A segunda temporada de Legends Of Tomorrow terminou com uma difícil batalha com a Legião do Mal, que deixou grandes danos à linha do tempo e a história inteira da humanidade à beira de um colapso. Nós tivemos a estrela Caity Lotz aqui para nos contar quais mudanças estão chegando para as lendas na terceira temporada.

Caity: Eu acho que dessa vez nós não veremos a história como lembrávamos antes. Você viajava ao passado e a história era igual aos textos de livros. Agora que quebramos o tempo, qualquer coisa pode estar em qualquer lugar e tudo pode ser louco.

Entrevistadora: Essa seria minha próxima pergunta: Na última temporada, nós vimos dinossauros. Então, quando a temporada voltar o tempo ainda está desconsertado?

Caity: Sim, é, sim.

Entrevistadora: Aonde você gostaria de ver Sara indo como personagem. Qual tipo de desenvolvimento quer ver?

Caity: Eu gostaria de ver os efeitos que estar no comando causam a ela. Gostaria de vê-la tendo um bom relacionamento, não apenas uma chama de paixão, mas um verdadeiro relacionamento amoroso seria bom.

Entrevistadora: Temos muitos rumores sobre novos personagens vindo, você pode dizer alguém que talvez possamos ver na próxima temporada?

Caity: Eu ouvi algo sobre termos uma personagem ativista muçulmana na série.

Entrevistadora: É ótimo, estou preparada. Obrigada por nos dar esse tempo!

Caity: Muito obrigada!


A revista Locale Magazine liberou no início desse mês a sua edição 60°, na qual Caity Lotz é a estrela da capa. A revista conta com um ensaio fotográfico e entrevista inédita. Adicionamos à nossa galeria os scans em alta qualidade das páginas, confira neste link aqui. Confira abaixo a versão digital da revista completa:

Confira abaixo a tradução completa da entrevista de Caity na revista.

ATRIZ CAITY LOTZ FALA SOBRE DANÇA, POLÍTICA E COMO ELA É UMA SUPER-HEROÍNA NA VIDA REAL

Menina de San Diego no coração
Caity cresceu perto da área de Carmel Mountain e sempre que ela volta a San Diego, ela tem que pegar um burrito do Sombrero Mexican Food. Ela se refere a letra da música “Josie” de Blink 182 como sua musa.

Caity Lotz interpreta uma assassina arrasadora na TV e interpreta o papel de uma mulher arrasadora na vida. A nativa de San Diego transborda força, sucesso, opiniões políticas e girl power (poder para garotas). “Eu costumava pensar que em algum ponto eu teria que arrumar um trabalho de verdade”, Lotz ri. “Mas eu estou começando a sentir que talvez eu não tenha.”

Você talvez tenha visto Lotz saltando, chutando bandidos ou lutando com espada japonesa em “DC’s Legends of Tomorrow” na CW, onde ela interpreta Sara Lance (a White Canary) no fenômeno da rede de super-heróis repleto de ação. A série segue um grupo eclético de heróis e vilões que voltam em pontos fundamentais da história para salvar a Terra de um futuro apocalipse.

Lotz prometeu seguir sempre a excitação em sua vida. Ela se dedicava à pintura, à fotografia, às artes marciais e à dança — e essa era a mais pesada, diz ela.

Dançarinos vieram para performar em sua escola primária e uma faísca acendeu uma nova chama. “Eu quero fazer isso”, disse Lotz à mãe aos sete anos. Esta faísca cresceu assim que ela começou a fazer aulas e se inspirou em uma professora de dança. Lotz diz que Tiffani Francy King era mais do que apenas uma instrutora de dança. Ela era sua babá, sua carona para audições desesperadoras em Los Angeles, sua confidente, sua mentora. “Ela realmente acreditou em mim”, disse Lotz.

Quando King começou a ensinar Lotz, ela ensinava jazz, lírica e técnica, e Lotz se inscreveu em todas as aulas que equivalia a uma quantidade de horas loucas no estúdio de dança juntas. “Eu sempre tinha que deixar um pouco de tempo extra depois das lições para permitir o tempo inevitável que demorava para ela sentir que tinha feito certo”, disse King de uma das alunas mais motivadas que ela já ensinou. “Eu acho que o que também a tornou tão especial é que ela nem sempre fez isso pela vitória ou pelo primeiro lugar, ela fez isso pelo desafio”.

King continua a dizer que Lotz foi um modelo para outros alunos, um verdadeiro destaque, e alguém que ela chama de sua irmã adotiva. “Eu acho que especialmente neste dia e idade é extremamente importante para as mulheres jovens ter um mentor positivo”, disse King. “Você sempre deve ter alguém ao seu lado que confia, que está lá para lembrá-lo de que você é feito, de onde você vem e que você pode fazer qualquer coisa que colocar na sua mente para a qual está disposto a trabalhar.”

Ainda assim, com todo esse amor pela dança crescendo dentro dela e com uma professora-amiga ao seu lado, ela não sabia na época que ser dançarina profissional era, tipo, uma coisa. Então aos 17, Lotz ficou séria, conseguiu um agente, e a indústria ficou séria sobre ela também. Ela ganhou um cameo ao lado da cantora JoJo em seu cativante vídeo da música “Baby It’s You” (sim, totalmente equipado com o estranhamento do início da moda dos anos 2000). Aos 19 anos, sem nenhuma visita prévia à Europa e não conseguindo falar nem um pouco de alemão, Lotz encontrou-se em Berlim, Alemanha, junto da sensação pop Soccx, um grupo de garotas americanas que visitou o país por dois anos. Os hits “From Dusk Till Dawn” e “Scream Out Loud” fizeram parte do TOP 10 da Alemanha em 2006 e 2007.

Mas então, aquela faísca se apagou. Voltando da música, de cantar e dançar no centro das atenções e fazer turnês com destaques como Lady Gaga e Avril Lavigne, apenas não estava fazendo isso mais. “Eu estava em turnê com Avril Lavigne com arenas cheias de gente e eu não estava nervosa. Eu não estava animada”, disse Lotz. “Então eu estava tipo, ‘Ok, hora de algo novo.’ Eu queria ficar assustado novamente.”

A seguir
Caity Lotz está confirmada para estrelar no próximo suspense Small Town Crime estrelado junto ao vencedor do Oscar, John Hawkes, a vencedora do Oscar, Octavia Spencer, e Anthony Anderson, estrela de “Blackish” da ABC. Veja a estréia no sul no Southwest Festival Março 1019 em Austin, Texas.

Seu novo amor tornou-se atuar. Depois de terminar um programa de dois anos no Sanford Meisner Center em Los Angeles com Alex Taylor, “Mad Men” aconteceu. Fazendo o papel de Stephanie, sobrinha de Don Draper, colocou o carimbo verificado em sua carreira como atriz. “Isso realmente definiu as coisas”, disse ela.

Rapidamente sucedendo este grande intervalo veio um papel no mockumentary da MTV “Death Valley”, e papéis principais em The Pact, The Pact II e The Machine. Em seguida, um pequeno papel no sucesso da CW “Arrow”, já em sua segunda temporada, é o que Lotz chamou de uma oportunidade de mudança de vida. Nem ela, nem ninguém na equipe sabia o que seria da personagem Sara Lance/The Canary personagem, e agora o mais recente hit da CW “DC’s Legends of Tomorrow”, acabou de ser renovado para a terceira temporada.

Lotz queria deixar claro que ela não se tornou um sucesso da noite pro dia. Ela disse que seu atributo mais forte é o seu impulso; sua ética de trabalho. Para a dança, Lotz disse que quando começou ela tinha ritmo de “menina branca”. Levou horas na garagem de seus pais trabalhando em cada movimento, cada passo até atingir a perfeição. “Eu não acho que nasci naturalmente boa em algo, mas eu trabalharia muito duro para ficar boa”, disse Lotz. “Eu não me importei de fazer o trabalho.”

Outra paixão que ela tem na manga é a política. Ela não se retém em seu Twitter ou para seus 1,1 milhões de seguidores apaixonados no Instagram sobre o que ela acredita e o que ela acha que é certo.

“Se eu não fosse uma atriz, eu adoraria ser da política”, disse Lotz. “É um lugar  em que você pode realmente criar a mudança.” Ela sempre foi atraída por líderes jovens em todo o mundo utilizando a mídia social para iniciar movimentos e ter uma voz. No final de Janeiro, Lotz participou da Marcha das Mulheres em Washington via Vancouver, Columbia. Ela postou um Instagram escrito, “Março com a gente para as mulheres, para os homens, para os direitos #LGBT, e amor.”

“AS MULHERES TÊM SIDO ENSINADAS A COMPETIR UMAS CONTRA AS OUTRAS, PORQUE HÁ APENAS UM OU DOIS ESPAÇOS” — CAITY LOTZ

“Olhando para a presidência de Trump, se podemos tirar algo positivo disso, é que qualquer pessoa pode ser presidente”, disse Lotz. Seu feed do Twitter mostra  exatamente essa visão. Em seus 140 caracteres ou menos, Lotz incentiva os jovens a se envolver, começando agora: “A próxima mulher presidente está lá fora e poderia ser você”, ela tweeta.

Além das mídias sociais, Lotz tem esperanças de abordar esta mensagem para as jovens meninas de uma forma nova e pessoal. Em convenções de quadrinhos, como a mega San Diego Comic-Con que acontece em todo Julho no centro da cidade, Lotz tem um plano de criar não só uma comunidade on-line, mas também apresentar mini-seminários e workshops para mulheres e meninas em cada um desses eventos discutindo temas como auto-aceitação, auto-amor e auto-capacitação.

“[Essas são] as coisas que eu lidei e eu vejo tantas meninas perdendo anos de sua vida se sentindo mal sobre quem elas são. Há muita pressão sobre as meninas, principalmente através da mídia, que elas não são suficientemente bonitas, magras, ou a pele delas é muito branca ou muito escura”, diz Lotz. “Precisamos recuperar nosso poder e entender que escolhemos como nos sentimos sobre nós mesmos. É preciso trabalho para construir auto-estima, mas vale tanto a pena, e quanto mais cedo melhor.”

A parte principal deste programa é meninas ajudando meninas. Ela continua a dizer que muitas vezes a narrativa é meninas sendo colocadas umas contra as outras. Sua teoria é que isso é decorrente da falta de espaço para as mulheres florescerem.

Enquanto fazia uma cena em “Legends”, ela fez uma pausa e olhou em volta. A maioria de seus colegas de trabalho são masculinos, combinando a equipe masculina. “As mulheres têm sido ensinadas a competir umas contra as outras, porque há apenas um ou dois espaços”, diz ela. Lotz comparou aquela cena a um raro exemplo onde havia quatro mulheres com ela na câmera com uma Assistente de Direção feminina por trás da câmera: “Parecia completamente diferente. Eu me senti muito à vontade.”

FAMOSA
Locais notáveis que você viu Lotz em ação
• Lady Gaga’s “Paparazzi” Music Video
• “Death Valley” (2011)
• The Pact (2012)
• “Mad Men” (2010)
• The Machine (2013)
• “Arrow” (2014)
• “DC’s Legends of Tomorrow” (2016)

Ela argumenta que esse gênero de super-heróis tem sido tradicionalmente dominado pelos homens. Mas, está mudando.

Sara Lance/White Canary não é apenas a donzela em perigo, não apenas o interesse amoroso, e todas as suas falas não giram em torno de homens. Ela é poderosa, complicada e interessante. Lotz teve fãs e mães de fãs, aproximando-se dela com uma sensação de gratidão de que existe uma personagem como Sara para elas olharem e se inspirarem a ser.

Lance também interpreta outro grupo que o mundo dos quadrinhos ainda não havia explorado – a comunidade LGBTQ. “Acho que uma das partes mais legais sobre Sara é sua sexualidade”, disse Lotz.

Originalmente ela pensou que receberia mais reações contrárias sobre sua personagem ser bissexual, mas os fãs na comunidade têm demonstrado muito apreço sendo representados na TV. “Eles veem Sara e isso se normaliza”, diz Lotz sobre sua personagem na tela. “E normaliza, não apenas para eles, mas para todos os outros.”

Um fã escreveu melhor, nos olhos de Lotz, dizendo que a personagem Sara mostra que a sexualidade pode ser fluida e não apenas um rótulo linear, ganhando um retweet de Lotz para mais de 330K seguidores do Twitter.

Mary Lotz, mãe de Caity, diz que, em comparação com o poderoso e forte papel de Sara Lance, Caity e ela são muito semelhantes. “Ela sempre foi assim. Se alguém estivesse mexendo/irritando outra pessoa, ela se levantaria por essa pessoa”, disse ela. “Ela sempre foi a protetora.”

Ela passou a dizer que ela e seu marido estão lentamente começando a se acostumar a ver sua filha na TV: “A primeira vez que eu a vi morrer [no filme The Pact II], isso me devastou. Eu tive que continuar me lembrando que era apenas um filme, não era ela… Então eu estava tipo, ‘Quem eu bati?’, ela disse apertando os punhos. Nós não temos mais que nos perguntar de vem esse lado “protetor” de Caity. Mas nós ainda gritamos cada vez que vemos o nome dela.”

ELA ARGUMENTA QUE ESSE GÊNERO DE SUPER-HERÓIS TEM SIDO TRADICIONALMENTE DOMINADO PELOS HOMENS. MAS, ESTÁ MUDANDO.

Ao crescer, Mary disse que Caity era um “moleque”, uma alma velha e muito independente. Em seu primeiro dia no jardim de infância, Mary diz que depois que encaminhou Caity a sua sala de aula, Caity acenou e disse: “Ok, você pode ir agora.” Independentemente, Mary disse que ela é sua maior fã. Quando Caity dançava, sua mãe explicava como ela tinha esse “fator”, ela brilhava enquanto estava no palco. “Eu fui a cada performance de dança”, disse ela. “Eu simplesmente adorava vê-la.”

Quanto à atuação, Mary diz que se surpreendeu sobre quão facilmente Caity foi à TV e estar na câmera… e ser engraçada. “Eu não sabia que ela era tão engraçada”, ela ri. – “Ela floresceu.”

Mary continuou a falar sobre o quanto ela estava orgulhosa dos sucessos de sua filha e sobre quão apaixonada é sobre tudo o que ela faz. “Ela é uma boa criança”, ela sorri. “Vou mantê-la.”
Sim, nós também. Caity Lotz interpreta uma personagem que possivelmente tem as melhores habilidades de combate mão-a-mão no gênero de super-herói agora. Lance, assim como Lotz, permanece firme em suas crenças, é inteligente e tem uma ética de trabalho incomparável. Ela engloba o poder da menina, como King nos lembra. “É importante lembrar como mulheres que somos fortes, ferozes e uma força a ser contada e concentrar-se em ajudar umas as outras, em vez de deixar inseguranças nos derrubar”, disse King. Sim, Lotz pode mostrar isso com um movimento de dança ou usando um pessoal inspirado por artes marciais filipinas, mas, seu maior poder? Sendo uma mulher.


A equipe do site AdoroCinema foi convidada pela Warner Channel Brasil para visitar os sets de filmagens da série Legends Of Tomorrow, localizado em Vancouver, no final de Setembro. Eles tiveram a oportunidade de conversar com o elenco principal da série, incluindo a Caity Lotz. Eles divulgaram a entrevista ontem em seu site!

O coordenador de dublês, Dean Choe, reforçou a importância dos dublês da equipe, mas demonstrou um encanto todo especial por Lotz. “Ela, provavelmente, é o único nome do elenco que poderia ser contratado como dublê amanhã se quisesse“. Choe revelou que a atriz faz questão de rodar a maioria das cenas de ação e que se sai sempre muito bem.

Na hora de falar com Lotz, claro que o elogio do coordenador foi assunto. Segundo a atriz, o fato de ter trabalhado como dançarina ajudou muito para fazê-la uma pessoa preparada para a ação. “Eu comecei a dançar aos sete anos de idade. Foi a dança que me trouxe para Los Angeles, eu não queria ser atriz àquela época. Sempre fui uma pessoa muito física. Quando eu tinha dezoito anos, comecei a praticar artes marciais. Tive sorte porque eu pude trocar aulas de break dance por aulas de artes marciais. Eu os ensinei a dançar e eles me ensinaram a lutar. Depois disso comecei a praticar muay thai e krav magá. Depois de começar a interpretar Sara Lance e antes de entrar em Legends of Tomorrow, eu comecei a praticar com um mestre em lutas com armas. Comecei a treinar com bastões, espadas, facas e o meu mestre, Dan Inosanto, é uma verdadeira lenda viva, tem 79 anos. Foi ele que mostrou a luta com nunchakus para o Bruce Lee. Eu tive sorte de poder treinar com ele e aprender a lutar. Isso me ajudou bastante na série porque nós não temos muito tempo para ensaiar e precisamos aprender tudo na hora. Esse conhecimento também torna o jeito como a minha personagem luta mais realista“, revelou.

Apesar de surgir em Arrow como par romântico do Arqueiro Verde, Sara viveu um relacionamento com Nyssa Al Ghul. A natureza bissexual da personagem também foi explorada em Legends. E a atriz gosta muito disso: “A mídia, em geral, está aceitando melhor essa ideia, não só a nossa série. Eu acho ótimo ver cada vez mais diversidade e eu gosto muito do fato de que estamos fazendo isso desde que a minha personagem apareceu em Arrow, três ou quatro anos atrás. Isso significa muito para mim. Quando eu encontro com os fãs, eu consigo ver o quão importante é o retrato que fazemos. A presença da minha personagem, toda semana na televisão, também ajuda a normalizar essa situação, fazer com que as pessoas que não entendem muito bem essa questão possam perceber que é uma coisa normal. Ajuda as pessoas a aprenderem a aceitar as outras pessoas, a deixar todos serem quem são. As pessoas são más e crueis porque não entendem, porque têm medo. Então, quanto mais personagens diversos você vir, mais você vai entender e as coisas serão mais normais, como deveriam ser. Eu me sinto muito sortuda por poder representar essa comunidade.

Além de valorizar a diversidade da personagem, a atriz se mostrou muito feliz de poder trabalhar o empoderamento de uma mulher sem hipersexualizá-la. “Eu acho que as personagens femininas são muito sexualizadas nos quadrinhos, então é legal poder criar uma personagem que não é assim. Não precisa ser como é nos quadrinhos. Eu adoro ouvir garotas que começaram a fazer aulas de boxe ou outras coisas por causa da minha personagem. É sobre empoderamento, sobre se sentir mais forte e se sentir melhor consigo mesma e se a minha personagem ajuda essas meninas a se sentirem assim, isso é fantástico“, destacou.

Sem querer dar muitos detalhes sobre a segunda temporada, Caity adiantou que sua personagem deve sair da “parte de trás do carro” e ser mais protagonista da ação.


Caity Lotz foi entrevistada pelo site Huffington Post semana passada. Durante a conversa, comentou sobre a nova temporada de Legends Of Tomorrow, seu novo filme Small Town Crime e muito mais. Confira abaixo a entrevista traduzida:

Com “Legends Of Tomorrow” agora de volta para sua segunda temporada, você pode dizer aos fãs para esperar alguma novidade, especialmente com sua personagem Sara Lance?

Caity: Ela está em uma posição única essa temporada. Ela ganhou uma pequena jornada interessante. Apenas lendo os scripts, eu acho que é muito melhor que a primeira temporada. Não que a primeira temporada não tenha sido boa, mas ainda estava se encontrando. Agora a série realmente achou sua própria voz e os escritores acharam as vozes dos personagens e podem fazê-los mais distintos. Então é muito divertido. Eu acho que as pessoas vão gostar disso.

Com tantos saltos de tempo e encarnações de sua personagem, você já ficou confusa? 

Caity: Eu nunca fiquei confusa, porque mesmo que nós viajamos no tempo, eu sei que tenho que ir e ser a mesma personagem. Até agora, em Legends Of Tomorrow, eu sou sempre essa versão de Sara, apenas em diferentes situações. Uma coisa que torna isso complicado é que quando estou vestida nas roupas de qualquer tempo, eu naturalmente como atriz, quero assumir aquele tipo de personagem. Eu pensaria que talvez Sara deveria estar feliz se ela estiver em go-go boots e jaqueta de couro, mas no fim do dia você tem que manter sua personagem mesmo que não esteja vestida ou não sinta-se como ela.

Quando eu falei com Katrina Law, que faz Nyssa al Ghul em “Arrow” e “Legends Of Tomorrow,” ela falou sobre a importância da representação das mulheres no gênero super-herói e como ambos os shows fazem muito bem isso. Gostaria de falar um pouco sobre isso? Qual é a sensação de saber que está fazendo um impacto tão grande para as meninas?

Caity: Só espero que faça. Eu interpreto o papel, e se as pessoas dizem que isso os faz sentir mais fortes, isso é tão bom. Eu sei que quando eu assisti “Star Wars: The Force Awakens eu fiquei realmente impressionada. Quando eu estava crescendo, os papéis que deixavam para nós admirarmos era a princesa, ou talvez Jeannie em “I Dream of Jeannie”, e ela é uma espécie de acorrentada! [Risos] Ela ainda é um personagem incrível, mas você tem essa ideia. E agora, aqui está esta menina que vem e ela é a Jedi! Como uma menina agora você começa a crescer pensando que você também pode ser o Jedi. Isso é bem legal. Então, eu espero que da mesma forma que me senti quando vi Star Wars é a maneira que eu possa inspirar outras mulheres e meninas a se sentirem empoderadas. Isso seria incrível.

E, claro, uma comunidade que é extremamente sub-representada no mundo dos super-heróis é a LGBT, e sua personagem já ajudou a dar voz a essas fãs. Você pode falar disso?

Caity: Essa é realmente uma das minhas coisas favoritas sobre esta personagem. Eu honestamente me sinto honrada de ser abraçada pela comunidade LGBT e de ser capaz de ser uma representação positiva e ajudar as crianças lá fora assistir e pensar: “Uau, essa pessoa lá na TV é igual a mim! Está bem! É normal.” E também inspirá-los a saber que eles podem ser heróis também. Também é ótimo para ajudar a introduzir estes personagens para pessoas que não estão acostumados a ver personagens LGBT na televisão, e deixá-los crescer para amar esses personagens e saber que eles são apenas como todos os outros. Isso para mim tem sido uma das melhores partes de tudo isso. Eu não sabia que iria se transformar em minha parte favorita, mas apenas vendo o quanto significava para as pessoas, se tornou definitivamente a minha coisa favorita sobre interpretar essa personagem.

Em Legends Of Tomorrow, você experimentou tantos universos diversos e vestiu muitos trajes divertidos. Teve algum episódio particular que se destacou pra você? Tem algum período no tempo que você gostaria que eles fizessem?

Caity: Essa temporada está sendo muito boa! Eu amo os trajes! É como ter uma fantasia de Halloween maravilhosa a cada episódio. É muito divertido, é brincar de se vestir. Eu acabei de gravar algo onde tive que vestir o vestido mais bonito. Outro episódio nós estamos no Japão, e esse foi maravilhoso também. Eu tenho cenas de lutas realmente legais e os sapatos de luz e roupas flowy permitiram-me liberdade para uma grande coreografia de luta. Então, eu também acho que as roupas são um grande atrativo para mim! A nossa figurinista, Vicky Mulholland, e eu realmente nos divertimos muito. Tomamos uma decisão de apenas para percorrer todo o caminho e não se segurar, e tem sido um bom momento.

Você vai estar no filme “Small Town Crime”, com um grande elenco, incluindo John Hawkes, Octavia Spencer e Anthony Anderson. O que você pode dizer sobre esse filme e a companhia fantástica que você está?

Caity: John Hawkes é fantástico! Todas as minhas cenas eram com ele. Todo mundo foi ótimo. Foi muito divertido para mim só chegar em outro set. [Risos] Eu tenho interpretado Sara Lance por tanto tempo, por isso tem sido ótimo para interpretar um novo personagem e estar em toda uma nova vibração. Depois de um tempo vocês se tornam uma família, e estão juntos tantas vezes, então é bom para agitar as coisas e sentir-se nervoso novamente – e definitivamente senti dessa maneira ao trabalhar com grandes atores. John Hawkes foi nomeado para um Oscar, então eu estava apenas sentada ali pensando comigo mesma: “Eu espero que eu ainda consiga!”. É um filme divertido, e foi ótimo ser uma parte.

Você tem um estilo extremamente original que combina uma grande variedade de talentos, incluindo atuação, dança e artes marciais e você pode até mesmo cantar. Você e Quentin Tarantino deveriam ser um par para fazer um musical! Você estaria interessada em fazer um musical? Fale sobre o que outros tipos de papéis que você estaria interessado em interpretar e que gostaria de trabalhar em seu ramo.

Caity: Uau, eu posso levá-lo em todos os lugares e você pode dá-los essa descrição? Isso me faz parecer muito boa! [Risos] Muito obrigada! Onde posso começar? Eu adoraria fazer um filme de ação grande. Fazendo ação na televisão é muito diferente do que no filme, você não obtém o máximo de tempo. Seria incrível ter o tempo para fazer alguma coreografia de luta incrível e realmente treinar para isso. Eu adoraria isso. Mas, eu também amaria fazer um grande drama – algo em que eu não estou matando ninguém, ou socando qualquer um no rosto. [Risos] É bom manter as coisas todas misturadas. Eu não quero ficar muito rotulada. Mas a ideia de trabalhar com Quentin Tarantino? Claro! Eu faria qualquer coisa Tarantino quisesse fazer. E se fosse um musical? Por favor, vamos fazê-lo! Talvez ele e Baz Luhrmann podem juntar-se e tornar-me um musical em ação!


Esta semana foi divulgada uma nova entrevista de Caity Lotz ao site WWD, no qual ela fala sobre sua carreira como dançarina da Avril Lavigne, Legends Of Tomorrow e muito mais. Confira abaixo a tradução:

Sobre sua experiência fazendo turnê pela Europa em uma girlband e dançando para Avril Lavigne:

Caity: Eu comecei a ir para Los Angeles quando eu tinha 17 anos, fazendo trabalhos de dança. Eu vivi na Europa por dois anos, depois estava em turnê por quase outro ano completo. Eu estava em um grupo de cantoras nesse período aleatório da minha vida — Eu estava em um grupo pop, uma grupo de garotas. Foi definitivamente divertido — Eu nunca tinha estado na Europa antes e fui com algumas das minhas melhores amigas e nos divertimos. Nós tínhamos a base em Berlim mas viajamos muito. Depois disso, fui em turnê dançando com Avril Lavigne. A dança é o que me levou para Los Angeles. Comecei com jazz e contemporâneo, então mudei para freestyle, hip-hop e breaking. Eu sou uma artista, mas eu não era a melhor cantora do grupo — Digo, não sou terrível. Mas eu não voltarei a cantar, isso é certeza.

Sobre porque parou de dançar para Avril Lavigne:

Caity: Quando eu voltei da Europa e fui em turnê com a Avril, eu estava tipo “Eu não quero mais dançar, não é emocionante pra mim”. Nós estávamos fazendo performances em frente de arenas cheias de pessoas e eu apenas não estava ansiosa. Isso não estava me fazendo ter medo ou ficar nervosa, então pensei “Eu acho que é hora de seguir em frente”. Eu comecei a fazer aulas de atuação — Eu estava interessada nisso por um tempo, mas pensava “Não sou uma atriz, apenas farei essas aulas” e então fiz durante dois anos e me apaixonei. Depois disso, eu apenas fui sortuda.

Em ter “Mad Men” como seu primeiro trabalho:

Caity: ‘Mad Men,’ claro. Esse foi meu primeiro trabalho de atuação. Eu apenas fiz a audição  — meu parceiro de cena na classe conseguiu uma audição para uma agência e precisava de alguém para fazer a cena com ele. Então eu fui com ele e os jurados ficaram “E sobre você?”. Naquele tempo eu não imaginava quão grande “Mad Men” era.

Em inicialmente ter sido tachada como “não muito do tipo CW”

Caity: Meu gerente me ligou depois da audição de Arrow e disse “É, você não vai conseguir porque eles disseram que você não é muito do tipo CW” e eu estava tipo “F–da-se eles, eu não quero ser CW mesmo”. Então algumas semanas depois, eu recebi uma ligação para fazer um teste de química em cena e estava tipo “OK, talvez eu seja CW”.

Sobre usar sua experiência como dançarina em suas cenas de ação:

Caity: Minha experiência na dança ajuda e eu também fiz artes marciais — antes de atuar, eu estava pensando em ser uma dublê. Para mim, a oportunidade de combinar a minha fisicalidade com a atuação é muito emocionante. Na verdade eles não exigem que façamos, porque temos dublês maravilhosos que eles podem usar.  Mas eu amo fazer isso — para mim, luta é similar a dança, onde você pode ter seu próprio estilo específico e que se pareça com você. Eu me sinto da mesma maneira com a luta — Eu quero que se pareça comigo e estar no estilo que eu quero lutar.


O site Comic Book Resources entrevistou os atores de Legends Of Tomorrow na sala de imprensa durante a San Diego Comic Con, no qual Caity Lotz também estava presente. Essa semana foi divulgada a entrevista realizada com a atriz, confira abaixo traduzida.

Caity Lotz, conhecida como Canário Branco, concordou que as mudanças na segunda temporada darão uma nova vida à Legends. “É menos de ‘Nós temos que salvar o mundo!’ em cada episódio. É mais contido. Está começando a ganhar senso de seu próprio tom e dando voz aos personagens. Agora, quando eu leio os scripts, é tão específico. Cada personagem é tão diferente, e eu gosto disso, quando tem esses personagens que são tão ricos e interessantes. Acho que eles estão brilhando durante essa temporada.”

Sua personagem lidará tanto com a perda de sua irmã em Arrow. quanto a morte de seu companheiro de time, Leonard Snart conhecido como Captain Cold. “De alguma forma, Sara está sempre ok. Ela é como uma barata, você simplesmente não pode matá-la. Mas ela não superou, sobre sua irmã. Essa é a queimadura mais profunda que ela já sentiu, então está sendo carregada para a próxima temporada. Espero que por um longo tempo, para continuar fazendo justiça.”

Lotz também disse que está ansiosa para mais trajes de época, que ela disse que são fornecidos pela mesma empresa que cria os guarda-roupas de Game of Thrones. “Sara sempre recebe alguns looks ótimos. Meu traje dos anos 70, o look ‘Fievel Goes West’ foi muito legal.”

Legends Of Tomorrow está em período de gravações, a série retorna com sua segunda temporada em 13 de Outubro na CW americana.

 


Ontem (27) foi divulgada uma nova entrevista realizada pelo site Moviefone com Caity Lotz. A atriz fala sobre a segunda temporada de Legends Of Tomorrow, sua personagem Sara Lance e sobre sua vida. Confira abaixo traduzida:

Moviefone: O que te deixou mais animada sobre a nova temporada de Legends Of Tomorrow? Vocês tem quatro grandes shows em uma emissora agora. Todos podem se cruzar. Você pode trazer qualquer um para sua equipe.

Caity: Sim, crossovers são o que eu estou mais animada, apenas por conta do potencial disso! Eu quero ir em “The Flash”. Quero que todos venham para o nosso show. Eu quero ver, tipo, especialmente a Terra Dois em “Flash”, eu acho que seria muito legal ver a Black Siren, que é Katie Cassidy. Quero ver os alter egos maus de Katie Cassidy e Danielle Panabaker. Eu quero enfrentar elas.

Quão divertido seria para você obter um alter ego do mal?

Ooh, eu amaria isso. Eu adoraria isso. Ou eu acho que o meu alter ego deve ser apenas algo realmente falho. Ou não falho, mas frio e simples. Eu seria uma bibliotecária ou tricotaria cachecóis. Isso é o que Sara faz na Terra-2.

Eles [os escritores] deram alguma dica para a próxima temporada, sobre o que você irá fazer?

Eu acho que Sara pode ter uma nova namorada!

Antigas namoradas vão aparecer na série em algum ponto?

Você sabe, eu espero que sim. Katrina Law é uma das minhas humanas favoritas. Ela está em um novo show, “Training Day”, então espero que possamos roubá-la. Ela trabalha em seu negócio para que ela possa vir e nos ver!

Quando você termina de gravar uma temporada, você deixa todas as coisas que fez para ficar em forma para o papel ir embora ou mantém?

Não, eu mantenho. Sei que algumas pessoas, eles não fazem isso. Eu não sei. Talvez em 10 anos me pergunte e será diferente. Eu amo o movimento e fisicalidade, então meu corpo apenas permanece daquele jeito. Mas há um próximo nível e eu acabei de começar a treinar novamente. Você pode verificar o meu Instagram, há alguns vídeos legais de treinamento lá.

Desde que você conseguiu o papel, qual é a coisa mais legal que pode fazer e não conseguia antes da Sara, fisicamente?

Ai meu Deus. Eu não sei. Eu fiz tudo isso antes. Eu era uma artista marcial antes de ser uma atriz, então todas as coisas eu sempre fiz. Mas eu nunca fiz essas coisas em um traje do super-herói antes, então isso é uma coisa nova!

O que te atraiu para artes marciais? Qual foi a coisa que fez você dizer: “Sim, este é meu esporte”?

Bem, eu comecei com a dança. E eu costumava ir a este ginásio para flip around e breakdance. Havia artistas marciais no mesmo ginásio, e eu comecei a ensiná-los a dançar, e então eles começaram a me ensinar artes marciais. E eu estava tipo, “Ooh, isso é divertido.” Então pensei que talvez eu gostaria de ser uma dublê.

Você surpreendeu qualquer um dos seus colegas de elenco com a forma fodon* que você pode realmente ser?

Eles são tão amáveis. Eles vão sempre me dar um bom tapinha nas costas. Eles são incríveis também. Quer dizer, todo mundo na série são tipo… eles são incríveis.

E você é útil para andar como companhia em um beco escuro.

Sim, na verdade eu não sei o que faria. Eu não quero descobrir. Então ninguém me ataque em um beco, por favor!

TRADUÇÃO: Giulia (Equipe Caity Lotz Brasil)

 


Caity Lotz realizou um ensaio fotográfico para a revista Fault Magazine em Fevereiro deste ano. Depois de meses, hoje foram liberadas 3 fotos como prévias do ensaio completo e uma entrevista. Confira abaixo a entrevista traduzida.

Início > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > Revistas | Magazines > 2016 > Fault Magazine – Junho 2016

Caity Lotz já usou muitos chapéus em sua carreira como artista. Começando como uma dançarina ela fez turnês com Avril Lavigne, Lady Gaga e apareceu em uma série de clipes musicais de alguns grandes nomes da indústria. Então, Caity juntou-se ao grupo Soccx que aproveitou dois singles no Top 10 na Alemanha. Apesar de todo o sucesso como dançarina e na música, foram suas atuações como Sara Lance nos hits da TV, Arrow e Legends Of Tomorrow, no qual finalmente Caity saiu das sombras e veio à tona.

Nós [Fault Magazine] conversamos Caity para saber mais sobre sua jornada como artista e o que é preciso para interpretar uma assassina nas telas.

F: Quando você percebeu que atuar era seu sonho?
C: Eu não comecei a atuar até que eu tinha 21. Antes disso eu era uma dançarina e cantava em um grupo. Eu nunca me imaginei como atriz ou mesmo ter uma carreira como artista. Ninguém que eu conhecia tinha um trabalho como esse, então eu não sabia que era uma opção. Mas eu apenas segui a emoção, trabalhei duro e acabei sendo muito sortuda porque agora sou paga para fingir ser uma assassina.

F: Os fãs de quadrinhos não são os mais amigáveis. Eles odeiam qualquer interpretação de personagens dos quadrinhos que não correspondem exatamente com o que pensam que deveria acontecer. Isso é uma pressão consciente para você?
C: Sinto-me muito grata por ser abraçada pela comunidade, apesar de toda a minha personagem não ser praticamente nada a ver com os quadrinhos. Não havia Sara Lance e não havia nenhuma “Canário”, somente “Canário Negro” e “Canário Branco”. Nos quadrinhos é totalmente diferente. Apesar que Sara Lance realmente capta a essência de “ser foda” que está no coração dessas personagens de quadrinhos, então espero que isso conte para alguma coisa.

F: Como as suas interações com os fãs vem sendo?
C: Incrível, emocionante e às vezes estranha. Eu sou muito sortuda por ser capaz de viajar por todo o mundo e conhecer os fãs, fico impressionada ao ver como séries como Arrow e LOT são universais. As histórias que as pessoas me contam sobre como eles foram inspirados ou empoderados por conta da minha personagem amolecem meu coração. Um monte de fãs LGBT realmente apreciam Sara representando uma personagem bissexual e eu amo fazer parte disso. As interações com fãs podem ser meio estranhas também. Como quando pessoas te encaram e tiram fotos, mas não vão até você. Me deixa paranoica.

F: Pessoas escrevem sobre você o tempo todo. Blogueiros, twitteiros e revisores. Deve ser difícil não perder o senso de si mesma quando todos tem uma opinião sobre você. Como você se mantém “com os pés no chão”?
C: Eu tenho muitas pessoas boas ao meu redor. Nós todos temos sido melhores amigos por mais de 10 anos e eles não me deixam esquecer quem eu sou. Na verdade, eu acho que sou realmente muito boa em não levar isso pro lado pessoal. Já trabalhei muito (e continuo trabalhando) para aumentar a minha auto-estima e isso é como um colete à prova de balas. Como você aumenta a sua auto-estima? Aceite e abrace quem você é e como é sua aparência. O que é mais fácil de dizer do que fazer, eu sei, mas é possível e a única pessoa que está em seu caminho é você.